Literatura de Alcoólicos Anônimos

Livros

 
Alcoólicos Anônimos

Esta quarta edição de "Alcoólicos Anônimos" veio a publico em novembro de 2001, no começo de um novo milênio. Desde a terceira edição, que foi publicada em 1976, o número de membros de A.A. dobrou, atingindo mais de dois milhões de pessoas, com cerca de 100.800 grupos em aproximadamente 150 países.

A literatura tem desempenhado um importante papel no crescimento de A.A. Um fenômeno notável no último quarto de século foi a explosão de traduções de nossa literatura básica para inúmeros idiomas e dialetos. Em cada um dos países em que a semente de A.A. foi plantada, ela primeiro fincou raízes lentamente, passando a crescer a passos largos a partir do momento em que se divulgou a literatura. Atualmente o livro "Alcoólicos Anônimos" está traduzido para quarenta e três idiomas.

À medida que a mensagem de recuperação alcançava um número cada vez maior de pessoas, ela também passou a afetar as vidas de uma crescente variedade de alcoólicos. Quando a frase "Somos pessoas que, normalmente, não se encontrariam juntas" (citada neste livro) foi escrita em 1939, ela se referia a uma Irmandade composta em sua maioria por homens (e umas poucas mulheres) provenientes de um ambiente social, ético e econômico bastante parecido. Como muitas outras partes do texto básico de A.A., estas palavras revelaram-se muito mais proféticas do que nossos membros fundadores sequer poderiam imaginar. As histórias acrescentadas a esta edição representam a participação em nossa Irmandade de pessoas cujas características - de idade, gênero, raça e cultura - se ampliaram e se aprofundaram para incluir virtualmente qualquer indivíduo que os nossos primeiros cem membros poderiam  esperar atingir.

Enquanto nossa literatura preserva a integridade da mensagem de A.A., amplas mudanças na sociedade como um todo se refletem em novos hábitos e procedimentos dentro da Irmandade. Por exemplo, aproveitando-se dos avanços tecnológicos, os membros de A.A. que dispõem de computador podem participar de reuniões por internet, compartilhando com companheiros alcoólicos de todo o país e do mundo inteiro. Em qualquer reunião, em qualquer lugar, os AAs compartilham entre si experiências, forças e esperanças com o propósito de manterem-se sóbrios e ajudarem outros alcoólicos. Modem a modem ou cara a cara, os AAs  falam a linguagem do coração em todo o seu poder e simplicidade.
 
   
 
Viver Sóbrio

Verdadeiro “Manual de Sobrevivência” para alcoólicos e alcoólicas, particularmente nas fases iniciais de sua recuperação, este livro apresenta “alguns métodos usados por membros de A.A. para não bebe”. Esta dividido em 31 capítulos curtos e objetivos, tratando das mais variadas situações de vida diante das quais a reação habitual de qualquer alcoólico seria voltar ao copo. E sugere alternativas para que isso não aconteça, desde que a pessoa assim o deseje. (119 páginas).
 
   
 
Os Doze Passos e as Doze tradições

Este livro expõe “uma visão clara dos princípios através dos quais os membros de A.A. se recuperam e pelos quais funciona sua Irmandade”: Os “Doze Passos” – um conjunto de princípios espirituais em sua natureza que, se forem praticados como um modo de vida, “podem expulsar a obsessão pela bebida e permitir que o sofredor se torne íntegro, feliz e útil”; e as “Doze Tradições”, que delineiam “os meios pelos quais A.A. mantém sua unidade e se relaciona com o mundo exterior, sua forma de viver e desenvolver-se”. (174 páginas).
 
   
 
Dr. Bob e os Bons Veteranos

Trata-se de uma biografia, com lembranças dos primórdios de Alcoólicos Anônimos na região do Meio-Oeste dos Estados Unidos. A primeira edição em inglês data de 1980 e, em português, de 1998. Inclui fatos da infância, da formação como médico, de sua família e do desenvolvimento de sua enfermidade,  além do seu histórico encontro com Bill W., a descoberta da pessoa que viria a ser o “AA número três”, a formação do primeiro Grupo em Akron e os primeiros desenvolvimentos de A.A. na região. (358 páginas).
 
   
 
Na opinião do Bill

Uma vez que coube a Bill W.  redigir grande parte da bibliografia inicial de Alcoólicos Anônimos, julgou-se oportuno editar um livro para meditação individual baseado nesta publicação. Assim, várias centenas de fragmentos dos livros: Alcoólicos Anônimos, Os Doze Passos e As Doze Tradições, Alcoólicos Anônimos Atinge a Maioridade, Doze Conceitos para serviços Mundiais, A Linguagem do Coração (ainda não editado em português), bem como de artigos escritos pelo autor e publicados na revista A.A. Grapevine, foram coligidos. O índice apresenta-se como “Guia para Discussão e Leitura” e está organizado por ordem alfabética de temas. A primeira edição data de 1967 e a primeira edição brasileira foi em 1988.(333 páginas).
 
 
Viemos a acreditar

Publicado pela primeira vez em 1973 (com primeira edição em português em 1996), este livro demandou cinco anos de preparação. Atendendo a um pedido do GSO (o Escritório de Serviços Gerais norte-americano), AAs das mais diversas regiões dos EUA e Canadá colocaram por escrito suas aventuras espirituais e as remeteram para serem selecionadas e publicadas. Assim, o livro opera como um “canal de expressão para  a rica diversidade das convicções implícitas em ‘Deus na forma em que O concebíamos’”. (145 páginas).
 
 
Reflexões diárias

“Este é um livro de reflexões escrito por membros de A.A. para membros de A.A.”. Este pequeno livro preenche uma necessidade de colocar no “plano das 24 horas”, um conjunto de reflexões que caminhassem pelo calendário anual. No topo de cada página há uma citação, tirada da literatura oficial da Irmandade. (381 páginas).
 
 
Compartilhando sobriedade

Compartilhando a sobriedade é o tema da XVI Convenção Nacional de Alcoólicos Anônimos e também é o título deste livro, feito a múltiplas mãos por iniciativa do Comitê Organizador da Convenção.  A essência de A.A. é compartilhar a sobriedade:  foi isso o que Bill e Bob fizeram em 1935, é isto o que se vem fazendo em A.A. desde então, e é exatamente isto o que se faz na Revista Vivência.

Passear os olhos pela coleção da Vivência, desde seu primeiro número - editado há quase vinte anos - até hoje, é uma aventura fantástica! O elenco de temas é vasto como o mundo.  Tem de tudo: aventura, serviço, prisão, amor, humor, trabalho, sexo, recaída, família...  experiências com todo tipo de paixão humana.  Tem também retratos da história de Alcoólicos Anônimos, informações sobre a doença do alcoolismo, toda sorte de dicas e as mais diversas experiências de serviço vividas por membros e grupos de A.A. de toda a parte.

Estão lá os testemunhos de centenas de companheiros e de amigos de A.A., ajudando-nos com suas vivências a iluminar o caminho da recuperação e da descoberta da vida.
A seleção de artigos da revista Vivência feita para este livro busca refletir esta maravilhosa diversidade de informações e experiências.  Traz um pouco de nossa história, um pouco da contribuição dos profissionais amigos de A.A., e essencialmente vários dos caminhos que companheiros e companheiras vêm empregando para viver nossos Passos e Tradições. Que esta seleção de textos possa ser mais uma contribuição para mantermos nossas mãos estendidas entre nós e para quem vier nos procurar. (207 páginas).
 
 
Manual de Serviço de A.A.

A Irmandade de Alcoólicos Anônimos do Brasil empreende um considerável avanço no seu trabalho, disponibilizando aos seus Órgãos de Serviços e membros este Manual de Serviço, aprovado pela XXIX Conferência de Serviços Gerais, inteiramente de acordo com a estrutura atual. 

O presente Manual é resultado de um exaustivo trabalho de consulta a todos os Grupo de A.A. no País, de longas horas de trabalho, estudos e pesquisas empreendidas pela Comissão Especial designada pela Conferência de Serviços Gerais de 2003. Ele poderá nos oferecer mais segurança no desempenho dos encargos da estrutura, na melhor síntese possível do pensamento atual da Irmandade.

A tendência de mudanças na forma estrutural, acarretou algumas adequações. Assim, doravante, os Serviços Locais e Gerais passam a executar um trabalho mais integrado e harmonioso. Com certeza, este Manual proporcionará à Irmandade meio seguros para transmissão da mensagem ao alcoólicos que ainda sofre.

Como acontece historicamente, seu texto também não representa uma determinação de lei nem algo imutável, podendo ser ajustado às mudanças que se fizerem necessárias, a critério da Conferência de Serviços Gerais.

Almejamos que o presente Manual de Serviços seja um firme instrumento de trabalho para auxílio eficiente às ações do Terceiro Legado da Irmandade de Alcoólicos Anônimos do Brasil. (195 páginas).
 
 
Linguagem do Coração

A publicação de "A Linguagem do Coração" reúne pela primeira vez praticamente todos os artigos escritos para "A.A. Grapevine" por Bill W., Co-fundador de Alcoólicos Anônimos. Embora muitos desses artigos tenham sido reimpressos, na forma de livros e livretes de A.A. ou em edições posteriores da revista, seu conjunto nunca foi editado antes em um só volume.
Essa preciosidade já pode ser encontrada nos Escritórios de Serviços Locais.
 
 
Levar Adiante

A história de Bill Wilson e como a mensagem de A.A. chegou ao mundo inteiro.
Aqui está Bill W., o homem conhecido por todos e a quem ninguém conheceu. Aqui está também, entrelaçada inextricavelmente em sua vida, a história dramática da fundação de Alcoólicos Anônimos, de suas primeiras lutas e de seu assombroso crescimento.
Bill era um homem de caráter complexo e contraditório. Apesar de sempre tentarmos coloca-lo num pedestal, ele sempre se empenhou em manter a autêntica humildade, negando-se a aceitar honras e acentuando o valor espiritual do anonimato. Co-fundador de A.A., nunca chegou a ser membro de A.A., porque nunca permitimos que o fosse. Mesmo sendo um homem de forte impulso egoísta, sempre atribuiu aos outros seus créditos merecidos: a Ebby, a Lois, ao Dr. Bob. Um líder carismático, ele evitou o poder e "estava disposto a nos deixar passar à frente antes que nós o deixássemos" (segundo as palavras do Dr. Jack Norris). Foi aclamado como uma das figuras mais importantes do século XX; todavia, uma das mecanógrafas não-alcoólicas do manuscrito deste livro comentou:É uma pena que ele nunca tenha feito nada com suas habilidades".

Neste livro encontra-se a história completa de uma vida extraordinária: a infância e adolescência em Vermont do garoto que sempre queria ser o Número Um. O serviço no exterior como Oficial do exército durante a Primeira Guerra Mundial. Seu namoro e os anos de casamento com Lois. O garoto dourado de Wall Street que acabou mergulhando no desespero alcoólico. Ebby T. e o Dr. Silkworth, a experiência espiritual de Bill e seu encontro com Dr. Bob. E, especialmente para o leitor de A.A., o papel que Bill  desempenhou em Alcoólicos Anônimos.

Esta obra, em preparação durante mais de cinco anos, é a biografia definitiva de Bill W. Cada palavra está documentada, cada fonte de consulta pode ser comprovada. Para aqueles que estudam o movimento, este livro terá um valor imenso, proporcionando a todos nós uma leitura emocionante e inspiradora.
 
 
Alcoólicos Anônimos Atinge a Maioridade

Escrito por Bill W., este livro traz uma breve história do nascimento e desenvolvimento de Alcoólicos Anônimos e destina-se a todos aqueles que estão interessados em conhece-la. A primeira edição data de 1957 e em língua portuguesa, de 1984. Um resumo cronológico dos acontecimentos mais significativos abre a publicação. A partir daí, seu conteúdo histórico não obedece mais à cronologia, mas enfatiza os desenvolvimentos dos três princípios básicos da Irmandade: Recuperação, Unidade e Serviço (os “Três Legados de A.A.”). (307 páginas).
 
 
Doze Conceitos para Serviços Mundiais

Também escrito por Bill W., publicado em 1962 e editado em português em 1983, este livro é a interpretação pessoal do autor sobre a estrutura mundial de serviços gerais de Alcoólicos Anônimos. Objetiva orientar as novas gerações de servidores em todos os países para que, no futuro, a liberdade de fazer as mudanças e reestruturações que se mostrarem necessárias coexista com o aproveitamento da experiência do passado, a fim de evitar a repetição dos erros já cometidos.
Tem o mérito de ser um complemento para o Manual de Serviços e para as Doze Tradições de A.A., explicitando conceitos até então não definidos por escrito, como por exemplo os Direitos de "Decisão", de "Participação" e de "Petição", e o conceito de "Liderança" em A.A. (307 páginas).
 
 

 

Livretes

 
- 44 perguntas

Nos tempos atuais, milhões de pessoas já ouviram falar de alguma coisa a respeito de A.A. e, em geral possuem “uma vaga impressão de que A.A. é algum tipo de organização que, de alguma forma, consegue ajudar os bêbados a parar de beber”. O livrete em epígrafe foi elaborado para  os que se interessam pela Irmandade, quer para si mesmos, para um amigo ou parente, quer por desejarem estar melhor informados sobre nós. Nele estão incluídas respostas a algumas perguntas que nos foram feitas freqüentemente no passado, e que dão uma visão genérica sobre alcoolismo e o modo de vida de Alcoólicos Anônimos. (37 páginas).
 
   
 
- A.A. é para mim?

Esta é a versão ilustrada do folheto Você deve procurar o A.A. ?. Reproduz as mesmas  doze perguntas, visando a um auto-exame individual e confidencial, só que formuladas na primeira pessoa do singular e acompanhadas de ilustrações inspiradoras. Uma ferramenta muito útil para apadrinhar recém-chegados à Irmandade. (30 páginas).
 
   
 
- Um pequeno guia para alcoólicos anônimos

O que é alcoolismo? Quais são os sintomas? O que é A.A., o que são suas reuniões e como ajuda o alcoólico? Quem pertence a A.A.? Um alcoólico precisa chegar ao “fundo do poço” para  A.A. poder ajudá-lo? Há jovens em A.A.? Quem dirige a Irmandade e quanto custa permanecer nela? O que podem fazer os familiares de alcoólicos? O que A.A. não faz? Como se pode saber  mais sobre A.A.? São as questões sinteticamente colocadas neste livrete. (14 páginas).
 
   
 
Eis o A.A. ... uma introdução ao programa de recuperação de A.A.

Num texto organizado em tópicos curtos e objetivos, esta publicação dá uma  noção geral sobre A.A. e a doença do alcoolismo, abordando alguns dos principais mitos e realidades em torno dessa doença e da possibilidade de recuperação através do nosso programa. Aspectos tais como a decisão de parar de beber e o problema de permanecer sóbrio são detalhados. (21 páginas).
 
   
 
Os Jovens e A.A.

Mitos e verdades sobre o alcoolismo e sobre Alcoólicos Anônimos – a começar pela idéia de que se é “jovem demais” para ser um alcoólico ou um AA, além de dez histórias de jovens (sete rapazes e três moças) que ingressaram na Irmandade entre os quinze e os vinte e cinco anos de idade, compõem esta publicação que interessa também a pais e mães com filhos jovens, além de AAs que apadrinham novatos na Irmandade. (49 páginas).
 
   
 
Carta a uma mulher alcoólica

Escrita por uma mulher não-alcoólica e dirigida à mulher que suspeita ter um problema com a bebida, esta carta, publicada originalmente em 1954, numa revista norte-americana, descreve o processo de progressão da doença entre as mulheres, e apresenta de modo simples e coloquial o programa de Alcoólicos Anônimos. (22 páginas).
 
   
 
Você pensa que é diferente?

O alcoolismo é uma doença que se esconde do próprio doente, muitas vezes sob o argumento clássico: “eu sou diferente”. Os treze relatos deste livrete demonstram de forma cabal que o alcoolismo atinge pessoas das mais diferentes condições  - juntas, em A.A., todas elas encontram a sua recuperação. (44 páginas).
 
   
 
A.A. para mulher

Abrem este livrete quinze perguntas dirigidas a mulheres que suspeitem ter problemas com o álcool. Uma breve introdução aborda algumas noções sobre o alcoolismo e A.A., remetendo para o depoimento de oito mulheres, das mais diversas condições de vida, que descobriram ser portadoras dessa doença e encontraram uma via de recuperação em Alcoólicos Anônimos. (46 páginas)
 
   
 
Memorando a um recluso que pode ser alcoólico

Esta publicação contém uma breve introdução dirigida aos detentos, fala sobre o alcoolismo, dá perspectiva aos de recuperação em A.A. e oferece vinte perguntas que podem ajudar a identificar o próprio alcoolismo. (51 páginas).
 
   
 
A.A. como um recurso para os profissionais de saúde

Como uma versão mais específica do folheto destinado a profissionais em geral, este aqui dirige-se a profissionais da Saúde. Explica a nossa visão do alcoolismo como doença incurável e a frustrante resistência do alcoólico a ser ajudado, e tenta responder a algumas objeções comuns a respeito de A.A. (14 páginas).
 
   
 
O artigo de Jack Alexander sobre Alcoólicos Anônimos

Desde os primórdios da história de A.A., a melhor publicidade que temos vem de nossos amigos não-alcoólicos. Este livrete é o relato do jornalista norte-americano, publicado em 1941 no Jornal  Washington Post,. Além do interesse histórico, sua leitura nos oferece uma qualificada e atual visão “de fora” sobre a Irmandade, o alcoolismo e nossas sugestões para a recuperação. (21 páginas).
 
   
 
Um clérigo pergunta a respeito de A.A.

Neste livrete são respondidas vinte perguntas freqüentemente feitas à Irmandade por religiosos(as) interessados no problema do alcoolismo e que ainda não tiveram oportunidade de familiarizarem-se conosco. Elas mostram como os princípios contidos nos Doze Passos e Doze Tradições se ligam a idéias espirituais de religiões diversas, e como tem havido cooperação entre o Clero e A.A. (21 páginas).
 
   
 
Alcoólicos anônimos e a classe médica

Esta publicação dirige-se em particular aos profissionais da medicina em suas várias especialidades, e procura abordar o conceito do alcoolismo como doença. (34 páginas).
 
   
 
Sugestões para coordenar reuniões de novos

Que tipos de reuniões de A.A. funcionam melhor para os novos na Irmandade? Qual o melhor perfil para um bom coordenador de tais reuniões? Pode um coordenador preparar-se para as reuniões? Alguns assuntos sugeridos para as reuniões e algumas sugestões sobre o planejamento dessa atividade são os conteúdos desta publicação também muito prática, que poderá ser útil sobretudo aos Comitês de Serviços dos Grupos de A.A. (16 páginas).
 
   
 
As Doze Tradições Ilustradas

Baseado em uma série de desenhos publicados em “A.A. Grapevine”, este livrete começa apresentando a origem das Doze Tradições de Alcoólicos Anônimos,  e coloca lado a lado, ilustrações de cada uma delas e breves textos comentando o sentido de cada Tradição. Um recurso a ser empregado nas relações de apadrinhamento, nas reuniões de estudo das Tradições e também como subsídio para oradores dedicados à informação ao público, dada a sua linguagem coloquial. (26 páginas).
 
   
 
- O melhor de Bill

Cinco artigos escritos por Bill W. (co-fundador de Alcoólicos Anônimos), e publicados no A.A. Grapevine ( a revista internacional de A.A.), abordam, respectivamente, os temas: fé, medo, honestidade, humildade e amor. (54 páginas).
 
   
 
Perguntas e respostas sobre apadrinhamento

Apadrinhamento em A.A. é o processo pelo qual “um alcoólico que já tenha feito um certo progresso no programa de recuperação, compartilha essa experiência, de uma maneira contínua e individual, com outro alcoólico que ainda esteja tentando conseguir ou manter a sobriedade através de A.A.”. Esta publicação apresenta 34 perguntas/respostas para quem procura um padrinho/madrinha, para quem deseja ser padrinho/madrinha, para Grupos que planejam a atividade de apadrinhamento e também sobre apadrinhamento de Serviços. Ao final, encontram-se os nossos Doze Passos, Doze Tradições e Doze Conceitos. (36 páginas).
 
   
 
Os Co-fundadores de Alcoólicos Anônimos

Editada como parte das atividades comemorativas do cinqüentenário de A.A. no Brasil, esta publicação traz um resumo biográfico de Bill W. e Dr. Bob, respectivamente, o corretor da Bolsa de Valores  de Wall Street e o médico, considerados co-fundadores de Alcoólicos Anônimos, e reproduz a última palestra proferida por cada um deles, respectivamente em 1969 e 1948, indicando a bibliografia para consultas mais aprofundadas. (39 páginas).
 
   
 
A.A. em instituições de tratamento

Como a transmissão da mensagem de A.A. a alcoólicos internados em instituições de tratamento ajuda a fortalecer a sobriedade? Como trabalhamos com tais instituições e que tipos de reuniões realizamos lá? Quais as qualificações que um AA deve possuir a fim de engajar-se neste serviço, quais atitudes lhe são sugeridas e quais deveriam ser evitadas? Essas são algumas das questões abordadas neste livrete, que interessa não apenas a AAs que desejam realizar tal serviço, mas também a profissionais e instituições desejosos de começar um trabalho de cooperação com Alcoólicos Anônimos para a recuperação de doentes alcoólicos. (19 páginas).
 
   
 
Entendendo o anonimato

A “Décima-Segunda Tradição” de A.A. é tratada neste livrete, distinguindo-se o anonimato na base de pessoa para pessoa e o anonimato em nível de mídia. Em seguida, há dez perguntas em torno do assunto, finalizando-se com alguns “fatos a respeito do anonimato” na Irmandade e algumas sugestões em relação à conduta pessoal. (13 páginas).
 
   
 
O Grupo de A.A. - Onde tudo começa

O que é, como surge, como funciona e que atividades desenvolve um Grupo de A.A.? Quem são e o que fazem seus servidores internos? Como cada Grupo se relaciona com A.A. como um todo? Como é e como se opera a estrutura geral de Alcoólicos Anônimos? Tais perguntas são respondidas detalhadamente neste livrete, que traz ainda tópicos sobre o que A.A. não faz, a posição da Irmandade no Campo do alcoolismo e a reprodução dos nossos Doze Passos, Doze Tradições e Doze Conceitos. Funciona também como um pequeno manual para consultas e estudo. (63 páginas).
 
   
 
Membros de A.A. - Medicamentos e outras drogas

O texto desta publicação é, na verdade, o relatório de um grupo de médicos que são também membros de Alcoólicos Anônimos, e aborda a delicada questão da relação entre alcoolismo e o uso de medicamentos e outras drogas: por um lado, sabe-se que os alcoólicos tem grande propensão a se tornarem dependentes de outras drogas além do álcool e, por outro lado, medicamentos poderão ser absolutamente necessários no tratamento de outros problemas graves de saúde do alcoólico. O relatório inclui o relato de três AAs incluídos no primeiro caso e três típicos do segundo caso, e apresenta nove sugestões de como lidar com esta questão, no relacionamento pessoal com médicos e dentistas e também com outros alcoólicos e em A.A. (17 páginas).
 
   
 
Os doze passos ilustrados

Simples  e direto, e como indica o seu título, este livrete traz a relação dos Doze Passos sugeridos por Alcoólicos Anônimos para a recuperação do alcoolismo, cada qual acompanhado de uma ilustração e de uma frase.  Poderá servir como uma inspiração para recém-chegados, como um recurso auxiliar de padrinhos e madrinhas e para AAs que mesmo contando algum tempo na Irmandade, ainda não praticaram todos os Passos sugeridos. (14 páginas).
 
   
 
Três palestras às sociedades médicas por Bill W. Co-Fundador de A.A.

As três palestras proferidas por Bill W.,  resumidas neste livrete, incluem, de forma detalhada, as duas primeiras informações sobre o programa de A.A. apresentadas solenemente perante as assembléias de renomadas sociedades médicas dos EUA. Essas palestras constituem um marco definitivo no crescimento da compreensão de A.A. por uma de suas maiores
 

 

Folhetos

 
Alcoólicos Anônimos, primeiras noções

Construindo uma versão mais completa para apresentação da nossa Irmandade, este folheto inclui os seguintes  tópicos: o que é A.A. e como começou;  como os membros mantêm a sobriedade; as nossas Doze Tradições; o porquê do anonimato; as finanças de A.A.; como A.A. chegou ao Brasil e como é a sua estrutura de serviços no país; relações de A.A. co outras entidades, com a medicina e com a religião; a Junta de Custódios, a Literatura e a Revista Vivência; finalmente, a relação dos órgãos de serviços em âmbito estadual e regional. (20 páginas).
 

 
 
A.A. num relance

O conteúdo deste folheto também constitui uma apresentação de Alcoólicos Anônimos ao público em geral, com a diferença de estar ainda mais sintetizado, podendo, assim, ser utilizado para uma divulgação mais generalizada – por exemplo, distribuindo-o ao final de uma reunião de informação ao público. (02 faces).
 

 
 
A.A. como funciona

Uma breve introdução informa como chegamos a ser o que somos hoje, e apresenta a relação dos Doze Passos sugeridos por Alcoólicos Anônimos para a recuperação individual da doença do alcoolismo. Mais um recurso para apresentar, de maneira rápida e simples, o nosso modo de existência, tanto para o público em geral, como para recém-chegados a A.A. (04 faces).
 

 
 
Uma mensagens para os jovens

Doze perguntas simples e ilustradas, dirigidas a jovens, ajudam-nos a saber “quando a bebida está se tornando um problema”. A resposta positiva a qualquer uma delas indica a possibilidade de a doença do alcoolismo estar em desenvolvimento – assim, o folheto termina com um convite para conhecer A.A. (09 páginas).
 

 
 
Se você for um profissional

Dirigido a profissionais de áreas diversas que trabalham com alcoólicos, o folheto apresenta sucintamente a Irmandade como “uma alternativa de apoio contínuo para a recuperação” dos portadores da doença, por meio de um trabalho
 

 

Folders

 
A.A. e os programas de assistência aos empregados

Este folheto apresenta sinteticamente o modo como Alcoólicos Anônimos tem cooperado na implantação e manutenção de programas institucionais e empresariais de ajuda para empregados alcoólicos, um trabalho que tem tido como resultados: recuperação individual e familiar; economia de custos para empresas e instituições (provocados por afastamento do trabalho, hospitalização, tratamentos, atendimentos de emergência, etc.) e também recuperação da produtividade ou do rendimento no trabalho dos empregados alcoólicos. Literatura dirigida a profissionais de Recursos Humanos, Assistência Social e outros. (04 faces).
 

 
 
A.A. em sua comunidade

Com o objetivo de informar como a Irmandade trabalha na comunidade para ajudar alcoólicos, este folheto informa: a nossa posição no campo do alcoolismo; como Alcoólicos Anônimos funciona; o que são os Grupos e as Reuniões; quem são os membros de A.A.; onde é possível encontrar A.A.; o que é o Escritório de Serviços Gerais; o que as pessoas podem esperar de A.A. e o que a Irmandade não faz. (08 faces).
 

 
 
Auto suficiência pelas nossas próprias contribuições

Dirigido a todos os membros da Irmandade (e uma leitura fundamental para servidores dos comitês e órgãos de serviços de A.A.), este folheto fala do compromisso individual para com o princípio de auto-suficiência em A.A. Relaciona as despesas mais comuns dos Grupos e órgãos de serviços; informa qual é a distribuição dos recursos arrecadados e quem os administra no Escritório de Serviços Gerais e nos órgãos de serviços; e indica as várias possibilidades de contribuição individual e o seu limite máximo, deixando implícita a sugestão de que cada membro pode planejar suas contribuições como julgar melhor. (06 faces).
 

 
 
Outros problemas além do álcool

Um texto de Bill W. escrito em 1958 fala de como A.A. lida com o problema da dependência de outras substâncias químicas. Demonstra como a experiência indicou ser impossível um não-alcoólico tornar-se membro de A.A. e ser desejável acolher quaisquer alcoólicos que sofram de outras dependências, oferecendo, inclusive, Grupos de “propósitos especiais”. E esclarece que em A.A. “o Grupo tem rigorosas limitações, mas o indivíduo não tem quase nenhuma”, ficando livre para cooperar em qualquer área, observando sempre as Tradições de anonimato, não-endosso e do propósito primordial: “levar a mensagem ao alcoólico que ainda sofre”. (06 faces).
 

 
 
RSG - Representante de Serviços Gerais

O folder traz uma breve história desse encargo – “Talvez o mais importante serviço em A.A.” – bem como orientações sobre as atribuições do RSG junto à Irmandade como um todo e particularmente no seu Grupo-base; indica a literatura mais diretamente ligada ao serviço; aborda o processo de eleição deste servidor de confiança, as qualificações sugeridas para candidatar-se, a duração do mandato e as qualidades de um bom RSG. E finaliza apresentando um pequeno texto de Bill W. a respeito.(08 faces).
 

 
 
 
Um recém-chegado pergunta

“Este folheto é destinado às pessoas que estão entrando em contato com Alcoólicos Anônimos pela primeira vez. Nele, tentamos responder às perguntas mais freqüentemente encontradas nas mentes dos recém-chegados – as perguntas que estavam em nossas mentes quando pela primeira vez entramos em contato com a Irmandade”.(08 faces).
 

 
 
 
Uma mensagem aos administradores de instituições correcionais

O objetivo deste folheto é apresentar Alcoólicos Anônimos como alternativa, num trabalho de cooperação, para recuperação de alcoólicos sentenciados e aprisionados pela Justiça. Seu conteúdo é composto pelos seguintes itens: o que os Administradores de Instituições Correcionais podem quere saber a respeito de A.A.; apresentação do nosso trabalho nesse campo; breve explicação de como funcionam os Grupos de A.A. em prisões; e como podemos ser úteis nas situações de liberdade condicional e soltura. (04 faces).
 
 
Ir para a lista de email História de Alcoólicos Anônimos Página Inicial Os 36 Princípios de Alcoólicos Anônimos Fazer o Download do Paltalk Fale Conosco Reflexão Diária Distrito